News

COMÉRCIO INTERNACIONAL E RELAÇÕES MUNDIAIS PÓS PANDEMIA PARA O BRASIL

 

Por Diego Ures e Mario Guarnieri

Debatemos recentemente com uma das mentes mais brilhantes do Brasil, o Embaixador Rubens Ricupero[1], e dessa rica conversa surgiram alguns pensamentos que merecem ser compartilhados.

Certamente uma das questões mais estimulantes acerca do mundo pós-pandemia é o futuro das relações internacionais e dos negócios comerciais globais interrompidos. Estão suspensas todas as questões de grande relevância de política externa debatidas antes do fechamento mundial, incluindo os tópicos da agenda do Mercosul. Enquanto houver uma quarentena e mesmo algum tempo após ser restabelecida a “normalidade”, será impossível continuar com as negociações pendentes e seguir com as iniciativas prioritárias até então.

Dentre os desafios que cercam a pandemia e as relações internacionais, destacam-se o aspecto universal do vírus e a falta de sincronicidade. Economias como a China, por exemplo, já estão emergindo, enquanto países como o Brasil ainda enfrentam o pior, com tendência de agravamento no futuro próximo. Esses dois pontos justificam o impasse dos diálogos multilaterais e resultam na urgência de uma completa reestruturação de agenda pós-COVID-19.

Propomos uma comparação dos efeitos da pandemia atual com os das calamidades anteriores, como os grandes conflitos armados. No final da Segunda Guerra Mundial, os assuntos pautados na década de 1930, marcada pela grande Depressão, jamais foram retomados no contexto do pós-guerra. Os temas então proeminentes tornaram-se irrelevantes e caíram no esquecimento. A reconstrução de países, o estabelecimento de um estado de bem-estar social e o surgimento de outro conflito, desta vez com a União Soviética, tomaram a dianteira.

De forma similar, a agenda atual também não verá uma continuação do que era discutido anteriormente e a força dominante será, mais uma vez, a reconstrução e reformulação da economia praticamente em sua totalidade.

Vale mencionar que o poder destrutivo da guerra é sem dúvida muito maior do que o de uma enfermidade de tamanha proporção, uma vez que a primeira costuma resultar em profundas rupturas no sistema político. A Primeira Guerra Mundial, por exemplo, pôs fim aos impérios mais poderosos. Por outro lado, uma pandemia demonstra ter o efeito oposto, aumentando a aceitação de alguns líderes. Esse foi o caso do primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, o presidente da França, Emmanuel Macron, além da surpreendente recuperação do presidente chileno Sebastián Piñera, cuja impopularidade parecia incontornável.

Apesar dessa tendência global, o mesmo fenômeno não parece acontecer no Brasil. Muito além dos dados de contaminados e óbitos crescentes, são abundantes as críticas nacionais e internacionais, principalmente contra a falta de políticas públicas coordenadas do governo federal com relação aos surtos e à incongruência de medidas com os governos estaduais e municipais.

Ademais, o Brasil está entre os que tiveram uma das piores reações diplomáticas possíveis, com grande desconsideração por outras nações e até pela OMS. Dentre muitos momentos de constrangimento geopolítico, o Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, declarou, em mídia social, que o perigo real seria o “comunavírus”, culpando os países rotulados por ele “comunistas” como os responsáveis pelo vírus e sua disseminação.

O Embaixador Rubens Ricupero lamenta que atualmente não haja país tão mal visto pelo núcleo diplomático internacional quanto o Brasil, já tendo sido deixado de lado na reunião preparatória do Fórum da Paz em Paris.

Em outro evento, o governo mexicano pediu o apoio do Brasil em medida destinada a fortalecer a OMS e suas diligências; devido à pressão americana, no entanto, o Presidente Bolsonaro negou-se a fornecer o alívio necessário.

Mesmo antes da quarentena, nações se afastaram do sistema de exportação global, e a tendência era de se voltarem para a autossuficiência sempre que possível. Não surpreende, portanto, que se reforcem os confrontos comerciais e políticos dos americanos com vários países, especialmente a China, e instituições internacionais, como OMC, OMS e ONU.

O Brasil, que sempre se mostrou historicamente alienado do restante do mundo, não reverteu nenhum dos numerosos indícios para ser considerado por outras economias nas ações de cooperação, ficando para trás na introdução de possíveis inovações e tratamentos para o vírus, bem como na composição das cadeias globais de valor.

Ao tentar se aliar aos Estados Unidos, o Governo Brasileiro assumiu os inimigos dos americanos, mas desprovido de poder, colocando-se em uma posição complexa e delicada contra parceiros comerciais cruciais para a sua economia. E, a despeito da posição diplomática subserviente e bajuladora do Brasil em relação aos Estados Unidos, o Governo Trump comentou sobre a péssima administração brasileira diante do contágio descontrolado e, em função disso, declarou que limitará preventivamente a entrada de brasileiros no território após o fim da pandemia, por medo de reativar o problema.

A Argentina também criticou a atitude brasileira e demonstrou medo de que a falta de controle do vírus no Brasil possa transbordar além de suas fronteiras.

Na frente asiática, os chineses vêm observando as ofensas do governo brasileiro há algum tempo. Ao que parece, o Governo Chinês esperava um pedido de desculpas por desonras proferidas pelo filho do Presidente, o que não parece ser compatível com a ideologia da equipe do governo atual. Acredita-se, portanto, que a China manterá o seu relacionamento com o Brasil de uma forma conveniente para si, não representando ameaça imediata às relações de investimento Brasil-China. No entanto, não há perspectiva de aprofundamento dos laços diplomáticos e comerciais, o que já foi observado pelo completo desinteresse nas últimas licitações de compras governamentais brasileiras.

Vale comentar que o desempenho da China também teve os seus altos e baixos diante do surto. No início, houve um atraso significativo na ação e no reconhecimento do problema, juntamente com a omissão de informações cruciais. No entanto, quando se reconheceu amplamente que o coronavírus era um problema de proporções históricas, o país reagiu com muita eficácia, realizando uma cooperação diplomática inteligente, enviando especialistas em saúde e produtos médicos para vários países necessitados.

A China, porém, não foi o país que melhor lidou com o problema, ficando atrás de outras nações asiáticas, como Taiwan, Singapura e Coréia do Sul. Com base no aprendizado sofrido que tiveram com a SARS e MERS, demonstraram que um governante autoritário como o caso chinês não contribuiu para uma resposta ótima na luta contra o COVID-19, mas, sim, a agilidade e amplitude de testes, isolamento dos infectados, e transparência das medidas para a população.

Além da cooperação comercial, assim, seria de fundamental importância que se formasse uma organização internacional enfocada em detectar e combater enfermidades globais. Muitos acreditam que a OMS já desempenha esse papel, mas não é o caso. Apesar de seu imenso valor para o mundo, o seu alcance é bastante limitado e enrijecido, principalmente porque as contribuições financeiras para a organização são fornecidas para atender metas específicas. Um exemplo claro disso é a assistência que o governo dos EUA prestou, até recentemente, à Organização. Grande parte da contribuição americana era destinada ao combate à malária, deixando-a incapaz de redirecionar os recursos para combater outras epidemias, incluindo o coronavírus.

No Brasil, na área das relações internacionais, nem o Poder Judiciário nem o Congresso agiram da maneira contundente como deveriam para conter maiores estragos. A constituição é explícita quanto às relações internacionais, valorizando enormemente a integração harmoniosa com outras economias da América Latina, ainda que preservando a soberania nacional. Embora o Congresso possa exercer considerável influência por meio de medidas, como a aprovação de acordos internacionais e a nomeação de posições-chave como embaixadores, esses princípios basilares não parecem ter sido preservados pelas últimas ações de política externa.

Com relação aos efeitos financeiros observados, o caso do Brasil também é contrário à maioria das projeções, ao menos por ora. Segundo previsões da OMC e de outras instituições globais, o Brasil já deveria estar sofrendo os efeitos negativos em suas exportações. Os resultados da balança comercial, porém, não demostram ainda o impacto do COVID-19, mas, pelo contrário, apesar da queda nos preços, um aumento surpreendente no volume de vendas. Isso também é intrigante quando se observa o fato de a China, principal destino das exportações brasileiras, vir sofrendo os efeitos do vírus há um tempo consideravelmente maior do que o resto do mundo.

As sequelas econômicas do coronavírus precisam também ser observadas de uma perspectiva de curto prazo, pois é um fenômeno de duração limitada e, embora a sua extensão exata não seja conhecida, não deve ultrapassar 18 meses, ao considerarmos exemplos do passado, como a gripe espanhola. Por outro lado, eventos simultâneos de longo prazo como o aquecimento global e automação industrial são fatores que continuarão impactando a humanidade por um longo tempo após o fim da pandemia. Da mesma forma, a reorganização geopolítica em dois polos – o americano e o chinês – deve ser igualmente intensificada nos próximos anos.

Sim, a pandemia terá consequências, mas possivelmente não criará novas tendências de comércio internacional, apenas destacará os problemas que já estavam presentes, principalmente o colapso do multilateralismo, que se define pelo crescimento de ações unilaterais por países, priorizando o interesse nacional. Muitos países, ao invés de oferecerem auxílio, reforçam fronteiras e restringem as exportações.

Por todas as lições aprendidas e visando a uma resposta mais rápida e de longo prazo para um desafio global e irrestrito, é indubitável, entretanto, que as nações deveriam buscar um arranjo sinérgico e uma estratégia comum e inteligente, e escapassem avidamente de qualquer instinto de fechamento, por mais atraente que possa parecer.

 

[1] Biografia do Dr. Rubens Ricupero em https://www.rubensricupero.com/biografia/.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Scroll Up